Loja Virtual

Estilo e Beleza no Eshops

Click Aqui e Visite O Recanto da Beleza

Perfumes Importados e Nacionais - Maquiagens e Cosméticos - Presente Para data Comemorativa.

Todos os Produtos em até 12x Sem Juros. Pronta Entrega Para Todo Brasil.

Aqui Você Pode Comprar Sem Medo.

Linfoma e os fatores de risco

O que Linfoma?

Linfoma é um câncer que começa nas células do sistema linfático. Existem dois tipos de linfomas, linfoma de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin. Eles diferem entre si pelos tipos de células encontradas à microscopia, pelo comportamento biológico e pela resposta à terapia.

Acometem principalmente os linfonodos, que são órgãos do sistema de defesa do organismo, mas podem atingir outros órgãos, especialmente quando em estágios avançados. O prognóstico é bastante variável dentro de cada grupo, e deve portanto ser avaliado individualmente com o seu médico.

Por se tratar de um tipo de câncer que afeta o sistema linfático, presente em quase todos os órgãos do corpo humano, as pessoas devem ficar atentas a qualquer tipo de alteração corporal. A doença pode se manifestar em diferentes áreas, sem caracterizar metástase.

Ao contrário do câncer de mama, em que o nódulo no seio só pode ser percebido pelo toque em estágios mais avançados, uma íngua ou inchaço em um glânglio pode ser o primeiro sinal do linfoma, ainda no início.

Linfoma e os Fatores de Risco

As causas do linfoma não-Hodgkin são variadas:

Os poucos conhecidos fatores de risco para o desenvolvimento de um linfoma não-Hodgkin são:

1 - Sistema imune comprometido: pessoas com deficiência de imunidade, em consequência de doenças genéticas hereditárias, uso de drogas imunossupressoras e infecção pelo HIV, têm maior risco de desenvolver linfomas. Pacientes portadores dos vírus Epstein-Barr, HTLV1, e da bactéria Helicobacter pylori (que causa úlceras gástricas), têm risco aumentado para alguns tipos de linfoma

2 - Desordens autoimunes - como a tireoidite de Hashimoto e a síndrome de Sjögren,cursam com maior incidência do linfoma.

3 -  Exposição Química: um linfoma não-Hodgkin estão também ligados à exposição a certos agentes químicos.  Dentre eles estão os pesticidas, agrotóxicos e fertilizantes ,inseticidas (organofosforados e fenoxiherbicida), anticonvulsivantes (difenilhidantoina) e muitos outros agentes químicos (benzenos, tricloroetileno,  solventes, tiner de tinta, graxas e óleos).

Herbicidas e inseticidas têm sido relacionados ao surgimento de linfomas em estudos com agricultores e outros grupos de pessoas que se expõem a altos níveis desses agentes químicos. A contaminação da água por nitrato, substância encontrada em fertilizantes, é um exemplo de exposição que parece aumentar os riscos para doença.

Exposição a altas doses de radiação. Tomam medicamentos devido ao transplante de órgãos.

É importante salientar que muitos indivíduos com linfoma não se incluem nesses grupos de risco, e também que a maioria dos que se encontram nesses grupos nunca desenvolve a doença.

Sintomas

Sintomas de Linfoma não-Hodgkin

Muitos pacientes com linfoma não-Hodgkin costumam notar linfonodos aumentados no pescoço, axilas ou virilha. O aumento dos linfonodos é menos frequente próximo às orelhas, cotovelo, na garganta ou próximo às amídalas.

Raramente, o linfoma não-Hodgkin pode se iniciar em outro local, como ossos, pulmões ou pele. Nesses casos, os pacientes costumam apresentar sintomas referentes ao envolvimento local, como dor óssea, tosse, dor no peito, erupções ou nódulos na pele.

Os sintomas são os mais variados, entretanto os mais comuns são: cansaço ou fraqueza, febre, sudorese, perda de peso, dores no corpo, emagrecimento, além do aparecimento de nódulos no corpo. 

O diagnóstico geralmente é feito através de biópsia do linfonodo (ou órgão acometido). São exames úteis para o diagnóstico o seguinte: tomografia do tórax e abdome, radiografia do tórax, PET scan, exames laboratoriais e biópsia da medula óssea. O tratamento em geral é realizado com quimioterapia associada ou não a terapia biológica, mas a radioterapia também pode ser empregada. O transplante de medula óssea geralmente é reservado para pacientes com doença refratária.

Os pacientes também podem apresentar sintomas como febre, calafrios, suor exagerado (principalmente à noite), fadiga, perda de apetite ou perda de peso e durante o exame médico, pode ser percebido o baço aumentado.

Em alguns casos, é possível que a doença seja descoberta somente durante um exame médico "de rotina" ou enquanto o paciente esteja sob tratamento de uma condição não relacionada.
É comum os linfonodos da região do pescoço apresentarem sintomas do câncer no sistema lifático

Principais sintomas do linfoma não-Hodgkin

Aumento dos linfonodos do pescoço, axilas e/ou virilha

Sudorese noturna excessiva

Febre

Prurido (coceira na pele)

Perda de peso inexplicada.

O risco existe a todo momento e esse tipo de câncer pode estar escondido”, alerta Carlos Augusto. Para a médica, é importante não desvalorizar os sinais que o corpo nos dá e procurar

Diagnóstico de Linfoma não-Hodgkin

Um médico quando perceber qualquer alteração, para ter um diagnóstico precoce. “Quanto antes se detectar o linfoma, maiores são as chances de remissão completa. Hoje, se recém- diagnosticado, o paciente com linfoma tem até 80% de chances de cura", destaca a hematologista oncológica Samantha Rodrigues.

São necessários vários tipos de exames para o diagnóstico adequado de um linfoma não-Hodgkin. Esses exames permitem determinar o tipo exato de linfoma e esclarecer outras características, cujas informações são úteis para decisão da forma mais eficaz de tratamento a ser empregado.
Biópsia, Exames de Imagem, Estudos celulares

O tratamento de ambos é baseado em quimioterapia, radioterapia e medicamentos, chamados de anticorpos monoclonais. O transplante de medula óssea só é indicado quando o paciente não responde bem a esses tratamentos.

Sobre o linfoma - O linfoma é o câncer do sistema linfático e origina-se com a alteração de um tipo de glóbulo branco, chamado linfócito (parte da defesa natural do corpo contra infecções). O linfoma se divide em linfoma de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin.

Segundo dados do Instituto de Câncer (INCA), em 2014 foram 2.180 casos de Linfoma de Hodgkin e 9.790 pessoas diagnosticadas com linfoma de não-Hodgkin em todo o Brasil.

Prevenção

1 - Não consumir alimentos com agrotóxicos.

2 - Não ficar exposto a altas doses de radiação.

3 - Procurar não se expor continuamente a certos agentes químicos,  como os pesticidas, solventes e fertilizantes ,inseticidas (organofosforados e fenoxiherbicida), anticonvulsivantes (difenilhidantoina) e muitos outros agentes químicos (benzenos, tricloroetileno, tiner de tinta, graxas e óleos).

4 - Assim como em outras formas de câncer, uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes obtidos das verduras e frutas, assim como outros hábitos que reforçam as defesas do sistema imunológico podem ter efeito protetor contra o desenvolvimento de linfomas não-Hodgkin.

5 - Sempre consultar um Médico.

6 - Ficar atento a qualquer tipo de alteração corporal.

Fonte:
-sbcancer.org.br
-hcancerbarretos.
-Diarioonline.
-minhavida.
-inca.go.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...